Na última quarta-feira (6), a Oculus revelou, durante a CES 2016 (evento que acontece nos Estados Unidos até o próximo sábado, 9), que o Oculus Rift estará disponível em março e custará US$ 599 (o equivalente a aproximadamente R$ 2.400). Para muitos, esse parece um valor realmente alto para o acessório, mas Palmer Luckey, fundador da empresa, discorda. 

Em uma mensagem publicada no Twitter, Luckey explicou que “aparelhos de ponta que envolvem realidade virtual são caros, mas o Rift é obscenamente barato pelo que ele oferece”. Na sequência, ele também informou que “o preço do dispositivo não foi inflacionado artificialmente”, pois a equipe precisa cobrir impostos, uma vez que os preços internacionais são, na essência, “a conversão dos dólares para a moeda em questão incluindo impostos e outros gastos”. 

E o que vem no pacote? 

No momento, o Oculus Rift está disponível para compra antecipada em 20 países ao redor do globo (a saber, Austrália, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Islândia, Irlanda, Itália, Japão, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Polônia, Espanha, Suécia, Taiwan, Reino Unido e Estados Unidos, e mais países serão adicionados à relação posteriormente), e são limitadas a uma unidade por pessoa. 

Também houve a menção de que o Oculus Rift traz cópias de Lucky’s Tale e Eve: Valkyrie, além de um controle sem fio do Xbox One e o Oculus Remote (vale lembrar, o Oculus Touch teve seu lançamento adiado e chegará ao mercado apenas no segundo semestre deste ano). A meta é de que, até o final do ano, o público tenha à disposição mais de 100 jogos de realidade virtual, incluindo nessa lista Minecraft e outros 20 que serão desenvolvidos ela Oculus Studios. 

Outro detalhe revelado é que aqueles que quiserem investir no acessório vão precisar de uma máquina com configurações que ficam longe do modesto para alguns bolsos. Duvida? Então confira os requisitos de sistema para o Oculus Rift a seguir: 

  • Sistema operacional: Windows 7 Service Pack 1 (64 bit) ou superior
  • Processador: Core i5-4590 (modelos equivalentes ou superiores também são aceitos)
  • Placa de vídeo: GeForce GTX 970 ou AMD 290 (modelos equivalentes ou superiores também são aceitos)
  • Memória: 8 GB de memória RAM
  • Outros: HDMI 1.3, três entradas USB 3.0 e uma entrada USB 2.0 

Também houve a menção de que os interessados poderão adquirir, a partir de fevereiro, um computador que será vendido em conjunto com o Oculus Rift trazendo tudo que é necessário para curtir aquilo que o acessório de realidade virtual pode oferecer – para isso, bastará fazer o investimento de US$ 1.499 (sem taxas ou impostos, aproximadamente R$ 6.025). 

Investimento na máquina 

Outro detalhe mencionado por Luckey, dessa vez ao site Polygon, é que o principal obstáculo para a popularização do Oculus Rift seja exatamente os requisitos exigidos para que o acessório funcione no computador. 

“Para muitas pessoas não se trata dos US$ 599 do headset, o preço real para muitos é o PC de ponta para que ele funcione. Esse é o grande investimento. Se vendêssemos o Oculus Rift por US$ 300, não sei se a adoção realmente seria muito grande. Sei que ela seria maior, não vou discutir sobre o fato de que mais pessoas não estariam comprando ele, mas não vai mudar muita coisa se você ainda precisar de um PC mais parrudo”, explicou o fundador da Oculus.

E você, concorda com as opiniões do criador da empresa que fez o Oculus Rift? Comente no Fórum do TecMundo Games