Durante o Entertainment & Tecnology Summit, promovido pela Variety, o presidente da Nintendo of America, Reggie Fils-Aime, voltou a opinar sobre como a realidade virtual pode ser usada nos games. Segundo ele, a casa de Mario não tem intenção em explorar esse mercado porque, no momento “não há muitas experiências que são realmente divertidas”.

O posicionamento é parecido com o que o executivo adotou em 2015, quando ele afirmou que a tecnologia precisa se tornar mais atraente antes de ser tornar algo essencial. Segundo a Variety, embora Fils-Aime afirme que a Nintendo não pretende explorar essa área no momento atual, ela não descarta a possibilidade de fazer isso em algum momento do futuro.

Virtual Boy

A posição mais cuidadosa da empresa é compreensível, especialmente quando levamos em consideração seu histórico desastroso com a realidade virtual. Em 1995 ela foi uma das primeiras a apostar na tecnologia com seu Virtual Boy, aparelho com características pouco atraentes que só vendeu 770 mil cópias durante os 9 meses em que esteve nas lojas antes de ser descontinuado.

Durante as discussões, Fils-Aime também afirmou acreditar que não há motivos para dizer que “os consoles estão mortos” e serão trocados pelo PC no futuro. Ele citou The Legend of Zelda: Breath of the Wild como um exemplo de que, não somente há um grande interesse por plataformas dedicadas, como as propriedades da Nintendo continuam sendo interessantes para o público.