Quando Life Is Strange: Before the Storm foi anunciado, confesso que fiquei um pouco com o pé atrás. Não somente a sequência de um dos adventures mais adorados dos últimos tempos parecia estar vindo cedo demais, como o estúdio responsável não era a DontNod, criadores da experiência original.

Para piorar, a premissa do jogo era focada no passado de Chloe e Rachel, cujo relacionamento tem sua conclusão mostrada já no Life is Strange original. No entanto, bastou uma apresentação a portar fechadas conduzida pela Square Enix durante a E3 2017 para que eu mudasse de opinião e me descobrisse ansioso pelo título.

A apresentação começou em uma cena que mostra o relacionamento das duas ainda no início, durante um show em uma região perigosa da cidade. Segundo os desenvolvedores, o objetivo do game é trabalhar bem com a interação entre os personagens e com as consequências de cada uma de suas ações - algo que fica bem claro no momento em que Chloe decide roubar dinheiro e usá-lo para comprar drogas.

Mistura do novo e do antigo

A promessa dos desenvolvedores é que os jogadores vão tanto visitar locais completamente novos quanto revisitar cenários que fizeram parte da aventura original. No entanto, como o game se passa em um período de tempo anterior, personagens surgem de forma completamente diferente e nem sempre se comportam da maneira como estaríamos predispostos a esperar deles.

O que mais respeite em Before the Storm é o fato de que, ao contrário de Max, Chloe não tem qualquer espécie de mecânica de voltar no tempo. Na verdade, não há qualquer espécie de poder sobrenatural disponível no game, o que torna ainda maior o peso de suas consequências e mostra que os desenvolvedores estão confiantes na narrativa mostrada.

não há qualquer espécie de poder sobrenatural disponível no game

A completa ausência de poderes especiais também faz com que Max preserve seu caráter como uma personagem completamente especial dentro deste universo. Caso os desenvolvedores decidissem bolar uma nova game de habilidades especiais, a aventura poderia parecer mais uma tentativa de criar um universo de novos X-Men do que uma jornada de crescimento pessoal e amizade.

Mal posso esperar por agosto

Não vou entrar em detalhes sobre os momentos de história que vi durante a apresentação para a qual a Square Enix nos convidou, pois isso poderia estragar sua experiência ao jogar: no entanto, já adianto que a experiência captura muito bem o espírito do Life is Strange original. Além disso, devo elogiar as escolhas da trilha sonora, que continua tendo um papel muito importante na trama.

Pelo que pude ver, parece que Before the Storm vai conseguir escapar das armadilhas que normalmente prendem jogos que tentam mostrar eventos que procedem uma história já conhecida e amada pelo público. Resta esperar até agosto, quando o primeiro (de três capítulos) do game será liberado para descobrir se realmente vai valer a pena voltar ao passado de Arcadia Bay para descobrir mais sobre o relacionamento de Chloe e Rachel.