Street Fighter V é uma das grandes promessas do ano para remexer a comunidade apaixonada por games de luta. O próprio diretor Yoshinori Ono comentou que o título irá surpreender até mesmo os jogadores profissionais, mas é preciso ter cuidado para que este jogo seja equilibrado para fazer sucesso nos eSports. Para explicar um pouco sobre este processo, o produtor da Capcom Kouichi Sugiyama explicou à revista japonesa Famitsu qual está sendo o processo de balanceamento do jogo.

“Dessa vez, nós não queremos colocar uma mecânica comum que é compartilhada por todos os personagens”, explicou o representante do estúdio. “Por exemplo, eu acho que o sistema de ‘parry’ é incrível, mas se essa mecânica for muito poderosa, ela naturalmente tornará as vantagens do personagem menos importantes”, explicou.

“Então, quando você equilibra um jogo, tudo precisa ser centrado ao redor de uma só coisa, e assim não haverá uma maneira normal de contrariar as estratégias. Com isso em mente, nós decidimos não incluir uma mecânica em comum entre os lutadores”, explicou.

Os jogadores de Street Fighter com certeza se lembram de algumas versões em que alguns personagens estavam mais fortes que os demais lutadores do elenco. Podemos citar exemplos como Sagat em Street Fighter II, Chun-Li em Street Fighter III: Third Strike e Yun na versão Super Street Fighter IV: Arcade Edition. A intenção agora, segundo Sugiyama, é equilibrar o jogo retirando as mecânicas em comum entre eles, apostando nas características únicas de cada lutador.

“Isso nasceu de um desejo em fazer com que os personagens se destacassem mais”, explicou o produtor. “Um lutador de agarrão como Zangief, que pode absorver ataques enquanto move adiante, agora pode expandir o seu propósito de agarrar os oponentes e assustar os oponentes ainda mais”, exemplificou.

“Achamos que isso tornaria o jogo mais divertido se pudéssemos enfatizar aspectos de cada personagem dessa forma.”

Foco nos eSports e na individualidade

Kouichi Sugiyama também se mostrou muito preocupado com o leque de opções que um competidor terá à sua disposição enquanto disputa os torneios de alto nível. “Falando de uma perspectiva nos eSports competitivos, estamos esperando que os jogadores profissionais tenham dois ou três personagens prontos para a luta”, iniciou.

“Ao invés de escolher alguém que vença o personagem do oponente, estamos esperando que as pessoas escolham os lutadores que vençam o seu adversário como um jogador”, explicou.

“Fazer alguém pensar ‘esse tipo de personagem pode funcionar contra meu oponente’ e tomar as decisões de personagem com base nisso será divertido, creio eu. O jogo, em si, é muito simples, então usar vários personagens também será simples”, refletiu o produtor.

Tudo isso não escapa das regras básicas da luta. “O objetivo é ter partidas de um jogador contra um jogador, no fim de tudo. Mas não queremos que um personagem seja o ‘main’ de alguém, mas que os próprios jogadores sejam o centro do seu jogo.”

“Então, para trazer mais ainda a individualidade de cada jogador, nós trabalhamos para destacar as identidades dos personagens. E eu acredito que, com isso, jogadores diferentes trarão coisas distintas do mesmo lutador”, finalizou Sugiyama.

O que achou de toda essa declaração do produtor japonês? Será que a decisão de retirar as mecânicas em comum realmente será efetiva para estabelecer um equilíbrio de peso para esse jogo que promete movimentar ainda mais os eSports?

No fim, talvez isto reforce ainda mais a ideia de que os jogadores devem  “reaprender” o que é ser um verdadeiro “Street Fighter” no novo jogo. Enquanto as teorias rolam, apenas temos a certeza que Street Fighter V será lançado no dia 16 de fevereiro no PC e no PlayStation 4. 

Ansioso pelo novo Street Fighter? Comente no Fórum do TecMundo Games