Anunciado na última sexta-feira (dia 1), o DLC Forthog Orc-Slayer de Terra-Média: Sombras da Guerra foi criado para honrar um desenvolvedor da Monolith morto por uma forma agressiva de câncer. Diante das acusações de que estaria lucrando com o conteúdo, a Warner Bros. veio a público para rebater as críticas surgidas após a revelação de que nem todo o dinheiro acumulado com o conteúdo iria para a família do produtor Michael Forgey.

Segundo a Warner divulgou originalmente, US$ 3,50 dos US$ 4,99 cobrados pelo DLC (R$ 14,99 no Brasil) seriam destinados à família de Forgey até o dia 31 de dezembro de 2019. No entanto, isso só aconteceria em parte dos estados que formam os Estados Unidos, o que significa que nenhuma das vendas feitas em outros territórios teria esse caráter caridoso.

Diante das críticas resultantes desse “detalhe”, a empresa afirmou que nem ela “nem a Monolith Productions vão lucrar com qualquer venda do DLC Forthog Orc-Slayer independentemente do território no qual ele é vendido”. No entanto, a companhia não esclareceu como vai distribuir o dinheiro gerado por essas transações.

A revolta contra a Warner Bros. é compreensível quando levamos em consideração alguns fatos recentes sobre Sombras da Guerra, como a revelação recente de que ele trará um sistema de caixas de loot que concedem membros de exército a quem estiver disposto a investir em microtransações. Caso você esteja desconfiado das ações da companhia e queria ajudar a família de Forgey, é possível fazer isso diretamente através de uma campanha organizada no site You Caring.